sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Para mim a chuva no telhado...



Para mim a chuva no telhado
É cantiga de ninar
Mas o pobre meu Irmão
Para ele a chuva fria
Vai entrando em seu barraco
E faz lama pelo chão

Como posso
Ter sono sossegado
Se no dia que passou
Os meus braços eu cruzei?

Como posso ser feliz
Se ao pobre meu Irmão
Eu fechei meu coração
Meu amor eu recusei?

Para mim o vento que assovia
É noturna melodia
Mas o pobre meu irmão
Ouve o vento angustiado
Pois o vento, esse malvado
Lhe desmancha o barracão

Aprendi essa canção por volta de 1987, com a professora Dona Terezinha, e até hoje isso faz parte da nossa realidade.

Um comentário:

Aparecida disse...

Bom dia Custódio!

Bem lembrada essa canção,que também aprendi na igreja,nos tempos de catequese.Ela retrata há muito essa desigualdade e impotência de quem é vitimado e ao mesmo tempo,o "coração fechado" e insensível diante do sofrimento alheio e o descaso ,eivdente na expressão.."os meus braços eu cruzei".
Ética,humanidade,bom senso,boa vontade e compromisso,podem fazer muita coisa,podem fazer a diferença,pode salvar muitas vidas.Essa "canção de ninar",essa "noturna melodia",carece de sabedoria e isso,Deus já conferiu à cada um de nós.Uma andorinha só não faz verão,isso é sabido,mas se "juntos somos fortes",então que a sabedoria e a fortaleza estejam juntas sempre.
Abraço!Cidha.